O Modelo Atual de Educação Estimula a Multipotencialidade? Uma Discussão Sobre Ensino, Conhecimento e Aprendizado

Tempo de leitura: 13 minutos

a educação no brasil
Crédito: Unsplash

Uma discussão sobre ensino, conhecimento e aprendizado

Multipotenciais são eternos aprendizes. Para nós, aprender é quase um vício. Valorizamos muito o conhecimento e novas informações. Buscamos aprender para entender o mundo à nossa volta e saciar nossa curiosidade e criatividade. Aprender não é apenas uma atividade prazerosa e natural, é necessária e traz até algumas dificuldades.
Entretanto, o modelo atual de educação nas escolas e universidades não estimula a multipotencialidade e toda essa sede de conhecimento. Neste modelo, assimilar conhecimentos é um meio para um fim. Os objetivos podem ser vários, entre eles, passar no vestibular, conseguir um bom emprego ou ser aprovado em um concurso. O conhecimento tem essas motivações e o estudante não é estimulado a ir além, aprender sobre outros temas e ter experiências diferentes.
O estudante multipotencial, além de não ser estimulado a explorar mais, pode ter dificuldade quando é pressionado a escolher uma área e carreira muito cedo. Muitos se arrependem do curso ou profissão escolhidos ou fazem mais de uma graduação. Sentem um grande desconforto por ter que escolher um caminho único e “desistir” de todas as outras oportunidades de aprendizados e experiências. Essas decisões e sentimentos negativos podem impactar toda sua vida.
Neste artigo, proponho uma discussão sobre educação, ensino, conhecimento, aprendizado e multipotencialidade. Você acha que as escolas e faculdades lidam de forma satisfatória com pessoas multipotenciais? O modelo atual de educação no Brasil estimula a multipotencialidade? Existem outras formas de olhar para a educação e o aprendizado?
Entendo que seja uma discussão ampla e com muitos pontos de vista. Este artigo é baseado em minhas experiências pessoais e pesquisas. Por isso, não pretendo, em nenhum momento, esgotar o tema, ter todas as respostas ou estar certa em todos os pontos. Te convido a refletir comigo, discutir e propor novas formas de pensar. Deixe sua opinião nos comentários, para que possamos enriquecer esse tema juntos!

 

Crédito: Unsplash
Crédito: Unsplash

MULTIPOTENCIALIDADE NA ESCOLA

Quando somos crianças, a escola estimula a criatividade e a variedade. Temos aulas de artes, cantamos em um coral com coleguinhas, praticamos esportes e até temos aulas de dança. Nesse início de vida escolar, as crianças são incentivadas a descobrir o que gostam, a interagir e se expressar. Para multipotenciais, essa época é estimulante e praticamente nenhum de nós têm problemas nesse período. Podemos ser nós mesmos, fazer o que gostamos e explorar nossa criatividade.
Conforme crescemos, essas atividades diferentes vão perdendo espaço. E o formato tradicional de aulas expositivas toma conta de todo o período que passamos na escola, com exceção de algumas horas para educação física. Acredito que isso não ocorra em todas as escolas, mas acontece na maioria.
O modelo atual de educação é bastante tradicional. As aulas são exposições de conceitos e o aluno ouve e absorve, passivamente, as informações. A grade curricular é desatualizada e não inclui temas importantíssimos para jovens, como Empreendedorismo, Autoconhecimento, Política, Economia, Comunicação, Inteligência Emocional, entre outros. Habilidades essenciais para nos tornar bons cidadãos e profissionais não são desenvolvidas desde cedo. O foco é expor os alunos às matérias e conteúdos que são cobrados no vestibular e no ENEM.
Outro ponto importante: a forma como o estudante é avaliado nas escolas brasileiras faz com que ele direcione sua energia para os assuntos e matérias que menos o interessam. As matérias favoritas passam batido, enquanto matérias para as quais não tem inclinação precisam ser memorizadas, para que fique “na média”. Se a forma de avaliação fosse diferente, o estudante poderia canalizar seus esforços para se desenvolver ainda mais no que gosta e tem aptidão.
É claro que também precisamos conhecer e aprender sobre o que não gostamos. Mas, e se a energia que usamos para ficar “na média” fosse direcionada para sermos excepcionais no que gostamos? Acredito que seria uma forma mais importante de desenvolvimento, tanto pessoal, quanto para a sociedade como um todo.

 

sistema educacional brasileiro
Crédito: Unsplash

VESTIBULAR E FACULDADE

Quando finalmente chega o temido momento do vestibular, ainda muito jovens e inexperientes, precisamos escolher um curso que impactará boa parte de nossas vidas. Muito cedo, temos que fazer escolhas que diminuem nossas possibilidades de experimentação e aprendizado mais amplo. Muitos fazem escolhas pouco conscientes e acabam se arrependendo depois.
Nesse momento, começa o pesadelo da maioria dos multipotenciais. Qual curso escolher? Como optar por uma única carreira e desistir de todas as outras fascinantes possibilidades? É aqui que qualquer estímulo que favoreça a multipotencialidade deixa de existir completamente. O multipotencial vê a necessidade de focar em um caminho único e essa escolha, devido à idade e pouca maturidade, parece ser definitiva.
Meus problemas como multipotencial começaram nesse momento. Tentei vários cursos, passei em mais de um deles, conseguia me ver em diversas profissões e isso me deixava extremamente angustiada. Tenho esse período como um ponto de virada negativo. Os sentimentos ruins que se iniciaram nessa época só começaram a desaparecer quando encontrei o autoconhecimento e o coaching e, em seguida, descobri e comecei a pesquisar e escrever sobre multipotencialidade. Mesmo assim, ainda tenho um longo caminho a percorrer até estar completamente livre deles.
Uma solução para que você tenha um momento mais tranquilo com o vestibular e a faculdade é que se concentre em conhecer a si mesmo. A escola não nos dá esse apoio e acredito que essa seja uma de suas maiores falhas. Se você está passando por isso agora, pense em sua carreira como uma plataforma para que use seus talentos, explore suas paixões e interesses e busque significado e propósito no que for fazer. Variedade também é muito importante para multipotenciais, outro fator que deve ser considerado.
Se você está na faculdade ou já se formou, ainda há tempo de repensar sua profissão e carreira da mesma forma. O que não pode é viver infeliz e insatisfeito por toda uma vida. Fazer uma transição para outra faculdade, outro emprego ou profissão pode ser difícil, mas não é impossível. E quanto mais você adiar esse momento, maiores são as chances de se arrepender no futuro.
Aqui você encontra algumas ideias de carreiras e profissões para multipotenciais e maneiras de ganhar dinheiro e ter uma carreira de sucesso sem perder a sua essência.

 

escola tradicional
Crédito: Unsplash

UM OUTRO OLHAR PARA A EDUCAÇÃO E O APRENDIZADO

Portanto, de acordo com minha experiência pessoal, vejo que o modelo de educação tradicional não incentiva o multipotencial. No início, temos um certo estímulo. Mas, conforme crescemos, aprender sobre diversas áreas e interesses, variedade, criatividade e expressão pessoal são cada vez menos estimulados. Tudo culmina na escolha de uma faculdade em uma única área, para que possamos nos especializar ainda mais, com pós-graduações e MBA’s.
Para crianças e adolescentes multipotenciais, existem algumas metodologias alternativas de ensino que podem oferecer um maior estímulo. Mas não podemos contar apenas com a educação formal. Precisamos buscar nosso próprio aprendizado e desenvolvimento pessoal.
Com isso em mente, há 3 pontos importantíssimos sobre conhecimento e aprendizado para multipotenciais.

#1 – O conhecimento é valioso por si só

Normalmente, acreditamos que precisamos “fazer alguma coisa” com os conhecimentos que estamos adquirindo. Por exemplo, se nos formamos em uma faculdade e não trabalhamos “na área”, pensamos que talvez aquele tempo de estudo tenha sido desperdiçado. Ou se fazemos um curso, aprendemos uma língua ou estudamos sobre um tema, achamos que precisamos usar esses conhecimentos de forma prática para que tenha valido a pena.
Na verdade, é importante lembrar que aprender é algo valioso por si só. É claro que colocar em prática os conhecimentos é fundamental. Mas não precisamos usar tudo que aprendemos de maneira tradicional, como em uma carreira. Você pode aprender francês e nunca trabalhar em uma empresa francesa ou viajar para a França. Mas aprender essa língua abre sua mente para uma nova cultura, uma nova forma de pensar, músicas, filmes e muito mais. O que, por si só, é muito valioso.

#2 – Você pode usar seus conhecimentos e habilidades horizontalmente

O que aprendemos não precisa resultar, necessariamente, em uma tradicional carreira de sucesso. Emilie Wapnick fala em usarmos nossas habilidades horizontalmente. Ela, que estudou Direito, Filmes, Música e Arte, não tornou-se uma profissional destacada em nenhuma dessas áreas. E não tem problema nenhum pois é esse, exatamente, seu diferencial. Ela usa tudo que aprendeu em seu negócio atual, o blog Puttylike.
A famosa história de Steve Jobs e suas aulas de tipografia é outro exemplo. Em seu discurso em Standford, Jobs conta que, quando largou a faculdade, continuou no campus e frequentava algumas aulas de tipografia. Ele não tinha pretensão alguma, apenas gostava e se interessava pelo assunto. Quando criou o primeiro Mac, os conhecimentos dessas aulas foram essenciais para que percebesse a importância da tipografia e do design em seu produto.
Não conseguimos ligar os pontos olhando para o futuro, só olhando para trás percebemos a importância que os conhecimentos que absorvemos hoje terão em nossas vidas. Por isso, explore seus interesses e aprenda tudo que quiser e puder. Nunca se sabe aonde isso vai te levar!

 

cursos online gratuitos
Crédito: Unsplash

#3 – Existem muitas formas de aprender além das tradicionais

Temos a sorte de viver em uma época onde as informações estão a apenas um clique de distância. E, já que o modelo de ensino tradicional não estimula a multipotencialidade, você pode fazer isso sozinho e ser um autodidata. Há uma infinidade de maneiras de aprender e aprofundar seus conhecimentos através da internet. Blogs, podcasts, vídeos, cursos gratuitos. Se você for atrás, vai encontrar muito conteúdo sobre os assuntos que gosta.
Um ótimo exemplo disso é a Khan Academy, uma ONG que tem como missão democratizar a educação. Para isso, disponibiliza milhares de vídeos (de graça!) sobre muitos assuntos, como Matemática, História da Arte, Química e Ciência da Computação. Eles tem até uma parceria com a Pixar, em um vídeo que explica como os filmes de animação são produzidos. Essa ONG foi criada por Salman Khan e os vídeos são traduzidos para português pela Fundação Lehmann. Confira o site em português, em inglês e o canal no Youtube.
Outra alternativa legal é a plataforma FutureLearn, que traz diversos cursos online (também de graça!), oferecidos por renomadas universidades e instituições culturais do mundo todo. Essa plataforma, lançada em 2013, pertence à The Open University, da Grã Bretanha. Os cursos são gratuitos, mas você tem a opção de pagar para receber um certificado de conclusão. Os assuntos oferecidos são muito diversos e vão desde Big Data e Sustentabilidade, até Liderança e Storytelling. Confira o site, em inglês, e se inscreva em um dos cursos para ver como funciona. Já fiz mais de um e recomendo muito!
Hamed é um exemplo de como é possível aproveitar (e muito) esses cursos. Ele tem 36 anos, nasceu em Dubai e já completou 32 cursos da FutureLearn! Um exemplo clássico de multipotencial:
Em maio de 2013, fiquei sabendo sobre a FutureLearn através da BBC. Imediatamente, eu e meu irmão nos cadastramos e começamos a selecionar cursos, O Poder Secreto das Marcas foi o nosso primeiro. Aqui estou, depois de dois anos e meio, com 32 cursos completos e uma enorme quantidade de experiência em quase toda área imaginável!
Eu me considero viciado em adquirir conhecimento. Sinto a necessidade de aprender alguma coisa em todos os lugares e o tempo todo. Não importa quando ou onde, preciso aprender algo todos os dias, senão sinto como se algo estivesse faltando dentro de mim.
(…)
Eu fiz cursos que ajudaram a me desenvolver como Gerente de Vendas. Marketing Digital, Storytelling Digital e Começar um Negócio são apenas alguns que recordo agora. Listei todos esses cursos no meu currículo pois eles mostram a profundidade do meu conhecimento e meu comprometimento em desenvolver minha carreira.
Eu também fiz cursos que me ajudaram a entender doenças que afetaram minha família. Minha mãe está lutando contra o Parkinson e o Alzheimer – houve cursos relacionados ao cérebro e ao Parkinson que me ajudaram a entender melhor a situação dela. Meu pai faleceu em 2011 de câncer de pulmão, o curso sobre câncer da Universidade de Bath foi uma grande ajuda para que eu entendesse essa doença fatal.
Meu pai sempre nos trazia notícias sobre exploração espacial. Isso explica porque eu amei os cursos sobre Luas, Mudança Climática, Orion e Gravidade.
A FutureLearn aumentou meu conhecimento e entendimento sobre o mundo, assim como melhorou meu currículo e ajudou a me desenvolver em minha carreira – eu compro o certificado de todos os cursos que completo para mostrar em entrevistas de emprego e incluir no meu currículo e portfólio.”
Além dos 32 que já completou, Hamed está inscrito em 59 cursos e está ansioso para começar o próximo. Leia o depoimento completo.
Não deixe o atual modelo de educação te limitar! Vá atrás do seu desenvolvimento pessoal, dos conhecimentos e dos assuntos que tem vontade de aprender. Ferramentas para isso não faltam! E, no futuro, você vai olhar para trás e perceber o quanto cada novo aprendizado foi importante.
E você, como acha que o modelo atual de educação afeta quem é multipotencial? Como foi a sua experiência (na escola, vestibular, faculdade)? O que acha que poderia melhorar? Conte nos comentários!

 

Insira seu endereço de email abaixo para receber as atualizações do blog em primeira mão!

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *