[Perfil] “Multipotencializar-se É o Caminho!”: Carioca Conta Como Encontrou a Alegria de Ser Multipotencial

Tempo de leitura: 7 minutos

Foto via Unsplash
“Quem muito quer, nada tem.”
Você deve ter escutado isso em algum momento da sua vida. Mas será que devemos acreditar em todos os ditados populares que ouvimos por aí?
Eu digo que não.
Quem quer muito porque ama tudo aquilo que quer fazer, porque busca novas experiências, porque é um explorador nato… tem e ganha muito, sim!
Para te provar, o Multipotenciais do Brasil traz a história do Toni Dias, um carioca que descobriu que o caminho para ele não era especializar, era multipotencializar.

 

Crédito: Arquivo Pessoal
Aqui está sua história:
“Multipotencializar-se é o caminho!
Bem eu sou o Toni Dias, um carioca bem humorado que busca sincronizar ação, mente e o coração em prol de um aprendizado contínuo, para que o meu nível de consciência possa expandir e subsequentemente iluminar-me das trevas da verdade absoluta, o que inconscientemente, irá me transformar em um ser humano adaptável ao ecossistema a qual pertenço e abrirá portas para que a felicidade possa se estabelecer de forma plena e contínua.
Desde criança fui muito inquieto, ansioso, hiperativo, atrapalhado, atencioso, fraterno, justo, intuitivo e mega produtivo, o que gerou para mim, inúmeros conflitos externos e internos. Nos conflitos externos, era um grande dispêndio de energia convencer as pessoas que pensam de forma linear e estrutural que minha maneira eficaz e por vezes inovadora em realizar as atividades que eu era designado, contradizia o senso comum e empírico do processo.
Essa maneira de realizar as atividades trazia um desconforto para o grupo, que estava ainda acostumado com o “Teorema de Gabriela; eu nasci assim, eu cresci assim e eu vou morrer assim”, e não conseguiam entender a minha linha de raciocínio, o que por vezes, criava um mito de que eu era louco e que não era capaz de estar inserido naquele grupo de trabalho. Esse conflito foi cruel demais comigo.
Como eu não sabia lidar ainda com minha essência exploradora – depois descobri que era a multipotencialidade – acabei gerando inúmeros desafetos e conflitos imensuráveis, por não entender que as pessoas que são adeptas do “Teorema de Gabriela”, também estão corretas. O que eu deveria fazer naquele momento era procurar a minha turma, para que eu pudesse me desenvolver e enfim encontrar maneiras para completar as minhas necessidades de atuação.
Daí começavam os meus conflitos internos, que me levaram ao um questionamento existencial, onde eu tinha a crença de que o errado era Eu e não o grupo em si. Com esse pensamento acabei perdendo inúmeras oportunidades no campo profissional, como ascensão de carreira e resultados mais consistentes, e no campo pessoal, possíveis parcerias estratégicas que poderiam suavizar minha passagem nesse plano.
Mesmo sentindo-me culpado por um “pseudo fracasso”, uma voz interna sempre dizia: “Toni você não está errado, siga as suas ideias”.
Obedeci à minha voz interna e atualmente consigo exercer inúmeras atividades totalmente distintas entre si, porém sincronizadas como:
  • A minha paixão em ser um Personal Coach criativo;
  • Minhas pesquisas que se baseiam em entender quais são os verdadeiros valores da Gestão Humana e as formulações de grupos Multipotenciais;
  • Um estudo consistente em grupos e iniciativas colaborativas;
  • Minhas atividades artísticas e sensoriais que são contempladas com a produção, roteirização e direção de obras cinematográficas;
  • Revisão de publicações de livros disruptivos na organização próspera Block Pub e:
  • Um amor incondicional em entender e propor soluções aos Multipotenciais.
Além dessas atividades ainda encontro tempo para me dedicar às seguintes metodologias:
  • Blockchain,
  • Scrum,
  • Design Thinking,
  • Business Model You,
  • Neuro Learning,
  • Neurociência,
  • Futurologia,
  • Física Quântica e,
  • Projetos transmídia que, ao meu entender, completam os subsistemas da Multipotencialidade.
Possuir essas inúmeras potencialidades, causa para muitas pessoas uma sensação de que sou um ser humano desfocado, porém se eu tivesse jogado a toalha há 20 anos, poderia hoje estar frustrado e não teria ciência de que eu me transformei em um ser humano virtuoso.
E uma das minhas maiores virtudes é ser pautado no erro e acerto sem medo da experiência, buscando transformar todo o conhecimento adquirido nas minhas pesquisas e percepções em sabedoria. Pois um dos maiores desafios que eu encaro cotidianamente é não me deixar levar ao círculo vicioso da conformidade de que já aprendi tudo que tinha que aprender.
E dessa inconformidade, descobri-me enfim multipotencial e como um entusiasta, sempre pautei o meu estudo em inúmeros conceitos e teorias distintas. Porém, quando me deparei com um artigo de Renata Lapetina sobre multipotencialidade, um imenso salto quântico foi dado e uma avalanche de descobertas se homogeneizava com as minhas teorias adquiridas, proporcionando uma nova percepção do pensamento que ocasionou a abertura de novas portas. Daí por diante, inúmeras oportunidades não param de jorrar, tanto que estou aqui relatando a minha experiência com o universo multipotencial para Renata Lapetina.
Depois de aceitar a multipotencialidade consegui aprimorar as minhas estratégias para ultrapassar obstáculos, e passei a utilizar com mais consistências as técnicas de Mapas Mentais, Design Thinking e Metodologia Ágil, mais especificamente o Scrum. Além de elementos filosóficos, meditação, desapegos das emoções e a técnica do visualizar e projetar o futuro sem medo de vivenciar o presente, que tem me ajudado a expandir minhas ideias ao universo aprimorando as minhas frequências emitidas, em sincronicidade com as energias do universo.
Hoje em dia expresso minha multipotencialidade com muita lucidez e autonomia. Isso tem me permitido experimentar novos processos criativos e entender de forma categórica que o importante é se permitir explorar o intangível, sem medo da opinião alheia e ter em mente que por mais que possa parecer loucura para os outros, o que me faz humano é ter a possibilidade de explorar. E, caso eu perca o estímulo, que mal tem em não prosseguir, prefiro ter a capacidade de reiniciar um processo inteiro, do que a mágoa e o ressentimento de ter ido ao fim de algo que percebi que não era o que estava a fim de fazer.
O importante é se permitir explorar o intangível, sem medo da opinião alheia e ter em mente que por mais que possa parecer loucura para os outros, o que me faz humano é ter a possibilidade de explorar.
Com a multipotencialidade, consigo unir inúmeras paixões e estudos, que se complementam, como por exemplo, a minha expertise em audiovisual que resultou na criação de uma vídeo-
monografia, reconhecida pela ABHR-RJ (Associação Brasileira de Recursos Humanos), e que acabou sendo finalista do prêmio Ser Humano no ano de 2013.
Sem dúvida, essa arte de unir conceitos é a principal fortaleza que os multipotenciais possuem e que deve ser explorada ao máximo e sem moderação, pois realizar inúmeras atividades ao mesmo tempo com muito amor, paixão, interesse e envolvimento, não é para qualquer um, só para pessoas especiais como VOCÊ!”
Leia também: Lapidação de Pessoas: Psicóloga Fala da Importância do Processo de Descoberta para o Multipotencial
Se você acredita que multipotencializar-se também é o seu caminho, mas não sabe nem por onde começar, clique aqui para descobrir como posso te ajudar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *